28 de outubro de 2014

Transmissor da Rádio Rural em terras potiguares


Informamos aos ouvintes da Rádio Rural que seu novo transmissor AM, adquirido junto a BT Equipamentos Eletrônicos, já está em Natal - RN.
Nos próximos dias esse equipamento deve chegar a Mossoró, e em seguida terá início o processo de instalação.
A previsão é que em breve a Rádio Rural possa voltar com sua programação normal, através de seus 10kw de potência

24 de outubro de 2014

PARÓQUIA DE SANTA LUZIA COMEMORA 172 ANOS








A Paróquia de Santa Luzia está em festa. No dia 27 de outubro, às 17 horas, celebra Santa Missa em Ação de Graças pelos 172 anos de criação da paróquia. Após a missa na Catedral, haverá lançamento da edição 2014 da Festa de Santa Luzia, na Praça Vigário Antônio Joaquim. Vamos celebrar o aniversário da paróquia e vivenciar mais uma edição da grande festa da nossa padroeira, Santa Luzia. Participe

21 de outubro de 2014

Diocese de Mossoró celebra 80 anos de criação.




Seminários temáticos, lançamento da Revista Diocese 80 anos, exposição fotográfica, ordenação de dois novos padres, show religioso, celebração de missa presidida pelo bispo Dom Mariano Manzana com a participação de sacerdotes marcarão a passagem dos 80 anos de ação evangelizadora e missionária da Diocese de Santa Luzia de Mossoró. Essas atividades serão realizadas de 14 a 18 de novembro, em diversos locais, sendo o show de Padre Nunes e a Missa em Ação de Graças, no dia 16, a partir das 8 horas, no Ginásio Pedro Ciarlini.  Oficialmente, a Diocese foi criada em 18 de  novembro de  1934. A celebração desse acontecimento festivo-histórico-religioso promete  reunir fiéis de toda a Diocese, em Mossoró. Todos os detalhes da programação na edição de novembro do Jornal A Luz. Aguarde! 


Celebra-se hoje o Dia Nacional de Valorização da Família.

A família é um grande bem para a sociedade. Quem acredita, efetivamente, na família deve se manifestar, para que a beleza da família possa emergir e brilhar na vida do povo brasileiro”, explica o bispo de Camaçari (BA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, dom João Carlos Petrini, ao recordar o Dia Nacional de Valorização da Família, celebrado hoje, 21.
Em 2013, os brasileiros celebraram pela primeira a data, instituída no dia 17 de maio de 2012, a partir da lei n. 12.647, tendo o apoio de diversas entidades. De acordo com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o objetivo é chamar a atenção dos governos e da sociedade para a importância da família como instituição fundamental do desenvolvimento humano.
Para dom Petrini, a data deve suscitar nas famílias o compromisso com a evangelização. "Desejo a todos os brasileiros e brasileiras que acreditam e amam a família que, neste Dia Nacional da Valorização da Família, tenham mais tempo e dedicação à própria família e continuem na evangelização por um mundo justo e fraterno", disse.
Mobilização
O Dia Nacional de Valorização da Família busca promover a família como espaço privilegiado e insubstituível para que um homem e uma mulher possam, por meio do matrimônio, gerar e educar seus filhos no exercício da família cidadã. (cf. Carta às Família,10) .
O assessor da  Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e Família da CNBB, padre Rafael Fornasier, lembra que este ano a Semana Nacional da Família abordou a temática "A espiritualidade cristã na família: um casamento que dá certo", com o objetivo de também ressaltar a beleza da família cristã, como imagem e semelhança de Deus, em comunhão com a 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre a Família, realizada de 5 a 19 de outubro, no Vaticano. Essas atividades reforçam a necessidade de valorizar a vida em família no contexto atual.
De acordo com o assessor, para esta data nacional, orienta-se as dioceses, paróquias e comunidades para que organizem atividades para a valorização da família, além de divulgar a data nos meios de comunicação disponíveis.

Fonte: CNBB

Diocese ordena dois novos padres em novembro




19 de outubro de 2014

Missão AD Gentes




Tendo encerrado o mês dedicado ao estudo e leitura orante da Palavra de Deus, como discípulos e discípulas do Senhor somos chamados a nos empenhar fervorosamente na missão. Este mês, tradicionalmente chamado de "mês missionário", celebra, no dia 19, o Dia Mundial das Missões. Discipulado e missionariedade são características complementares entre si e essenciais ao ser cristão.
Conforme o costume, o Papa Francisco escreveu uma "mensagem para o Dia Mundial das Missões". Fundamentado no Evangelho de São Lucas 10, 21-23, que ele chama de ícone bíblico, Papa Francisco ressalta a alegria de Jesus e dos discípulos missionários. Logo no início da mensagem, nos diz o Papa: " Cumprida esta missão de anúncio, os discípulos regressaram cheios de alegria. A alegria é um traço dominante desta primeira e inesquecível experiência missionária". No entanto, adverte-nos na sequência da mensagem, citando ainda o próprio Evangelho: " O Mestre divino disse-lhes: «Não vos alegreis, porque os espíritos vos obedecem; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos no céu. Nesse mesmo instante, Jesus estremeceu de alegria sob a ação do Espírito Santo e disse: "Bendigo-te, ó Pai (…)". Voltando-se, depois, para os discípulos, disse-lhes em particular: "Felizes os olhos que veem o que estais a ver"» (Lc 10, 20-21.23). A alegria de estar em Deus é a fonte e uma característica própria do missionário, não obstante os desafios enfrentados. O "Pai é a fonte da alegria. O Filho sua manifestação e o Espírito o animador", enfatiza o Papa Francisco, revelando assim a dimensão trinitária da missão evangelizadora da Igreja, que deve ser marcada pela unidade e comunhão, a exemplo da Trindade Santa.
Na mensagem para o Dia Mundial das Missões, o Papa Francisco não deixou de alertar para os perigos do mundo moderno, citando uma outra carta, de sua própria autoria, chamada " Exortação Apostólica Evangelii Gaudium": «O grande risco do mundo atual, com a sua múltipla e avassaladora oferta de consumo, é uma tristeza individualista que brota do coração comodista e mesquinho, da busca desordenada de prazeres superficiais, da consciência isolada» (Exort. Ap. Evangelii Gaudium, 2). Por isso, a humanidade tem grande necessidade de dessedentar-se na salvação trazida por Cristo. Os discípulos são aqueles que se deixam conquistar mais e mais pelo amor de Jesus e marcar pelo fogo da paixão pelo Reino de Deus para serem portadores da alegria do Evangelho. Todos os discípulos do Senhor são chamados a alimentar a alegria da evangelização.  Diante destes desafios, não podemos nos amedrontar, mas, confiando naquele que nos envia em missão, avançar fecundando as instituições sociais, toda a realidade com as sementes do Evangelho.
Gostaríamos, por fim, de destacar e parabenizar a Pastoral da Criança que celebra neste ano 25 anos de presença em nossa Diocese. Uma pastoral que tem contribuído de maneira eficaz para a diminuição da mortalidade infantil especialmente e outras conquistas que revelam o resgate da dignidade humana. Ainda pedir as orações de todos pelo Padre Luiz Sampaio, que realizou sua páscoa definitiva. Ele, natural de nossa Diocese, Paróquia de Pau dos Ferros, onde foi sepultado e também atuou como vigário, colaborou intensamente para evangelização num esforço de tornar a Igreja cada vez mais missionária. Agradecemos por seu sacerdócio e oramos para que encontre o descanso eterno e a paz em Deus.
Que Maria, estrela da Evangelização, interceda continuamente por nós para sermos autênticos discípulos-missionários do Senhor, evangelizando com santa alegria.

Dom Mariano Manzana
Bispo Diocesano 

Domingo da Solidariedade



Paulo VI beatificado, na conclusão do Sínodo dos Bispos sobre a Família - Sublinhado seu testemunho de amor a Cristo e à Igreja.



Com um tempo esplêndido e uma praça de São Pedro repleta de fiéis, Papa Francisco preside nesta manhã a Missa, concelebrada com os Padres Sinodais e elevado número de sacerdotes, na conclusão da assembleia extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre a família, procedendo à beatificação do Papa Paulo VI. A celebração é transmitida em direto neste mesmo site.

Na homilia da missa de beatificação, “a respeito deste grande Papa, deste cristão corajoso, deste apóstolo incansável”, Papa Francisco fez questão de dizer sobretudo “uma palavra tão simples como sincera e importante”:

Obrigado, nosso querido e amado Papa Paulo VI! Obrigado pelo teu humilde e profético testemunho de amor a Cristo e à sua Igreja!
Citada uma passagem do seu diário pessoal, em que o novo Beato escrevia que talvez o Senhor o tivesse chamado à missão de sucessor de Pedro “para sofrer algo pela Igreja e para que fique claro que Ele, e mais ninguém, a guia e salva”. 

Nesta humildade, resplandece a grandeza do Beato Paulo VI, que soube, quando se perfilava uma sociedade secularizada e hostil, reger com clarividente sabedoria – e às vezes em solidão – o timão da barca de Pedro, sem nunca perder a alegria e a confiança no Senhor.

Verdadeiramente – concluiu o Papa Francisco - Paulo VI soube «dar a Deus o que é de Deus», dedicando toda a sua vida a este «dever sacro, solene e gravíssimo: continuar no tempo e dilatar sobre a terra a missão de Cristo»), amando a Igreja e guiando-a para ser «ao mesmo tempo mãe amorosa de todos os homens e medianeira de salvação». 

Na primeira parte da homilia, Papa Francisco comentou o Evangelho do dia, com o convite de Jesus a “dar a Deus o que é de Deus”. 

Isto significa reconhecer e professar – diante de qualquer tipo de poder – que só Deus é o Senhor do homem, e não há outro. Esta é a novidade perene que é preciso redescobrir cada dia, vencendo o temor que muitas vezes sentimos perante as surpresas de Deus. / Ele não tem medo das novidades! Por isso nos surpreende continuamente, abrindo-nos e levando-nos para caminhos inesperados.

“Um cristão que vive o Evangelho é ‘a novidade de Deus’ na Igreja e no mundo” – prosseguiu o Papa. ‘Dar a Deus o que é de Deus’ significa abrir-se à sua vontade e dedicar-Lhe a nossa vida, cooperando para o seu Reino de misericórdia, amor e paz. Aqui está a nossa verdadeira força, o fermento que faz levedar e o sal que dá sabor a todo o esforço humano contra o pessimismo predominante que o mundo nos propõe. Aqui está a nossa esperança”.
Aplicando esta anotação à experiência sinodal vivida nas duas últimas semanas, Papa Francisco recordou que – como diz a palavra “sínodo”, se tratou de caminhar juntos, pela estrada do Evangelho, com o olhar fixo em Jesus.

Foi uma grande experiência, na qual vivemos a sinodalidade e a colegialidade e sentimos a força do Espírito Santo que sempre guia e renova a Igreja, chamada sem demora a cuidar das feridas que sangram e a reacender a esperança para tantas pessoas sem esperança.

Que o Espírito Santo, que nos concedeu, nestes dias, trabalhar com verdadeira liberdade e humilde criatividade, continue a acompanhar o caminho que nos prepara, nas Igrejas de toda a terra, para o Sínodo Ordinário dos Bispos no próximo Outubro de 2015 – afirmou o Papa.

Semeámos e continuaremos a semear, com paciência e perseverança, na certeza de que é o Senhor que faz crescer tudo o que semeámos. 
Eis o texto integral da homilia do Santo Padre:

Acabámos de ouvir uma das frases mais célebres de todo o Evangelho: «Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus» (Mt 22, 21).
À provocação dos fariseus, que queriam, por assim dizer, fazer-Lhe o exame de religião e induzi-Lo em erro, Jesus responde com esta frase irónica e genial. É uma resposta útil que o Senhor dá a todos aqueles que sentem problemas de consciência, sobretudo quando estão em jogo as suas conveniências, as suas riquezas, o seu prestígio, o seu poder e a sua fama. E isto acontece em todos os tempos e desde sempre.
A acentuação de Jesus recai certamente sobre a segunda parte da frase: «E [dai] a Deus o que é de Deus». Isto significa reconhecer e professar – diante de qualquer tipo de poder – que só Deus é o Senhor do homem, e não há outro. Esta é a novidade perene que é preciso redescobrir cada dia, vencendo o temor que muitas vezes sentimos perante as surpresas de Deus.
Ele não tem medo das novidades! Por isso nos surpreende continuamente, abrindo-nos e levando-nos para caminhos inesperados. Ele renova-nos, isto é, faz-nos «novos» continuamente. Um cristão que vive o Evangelho é «a novidade de Deus» na Igreja e no mundo. E Deus ama tanto esta «novidade»!
«Dar a Deus o que é de Deus» significa abrir-se à sua vontade e dedicar-Lhe a nossa vida, cooperando para o seu Reino de misericórdia, amor e paz.
Aqui está a nossa verdadeira força, o fermento que faz levedar e o sal que dá sabor a todo o esforço humano contra o pessimismo predominante que o mundo nos propõe. Aqui está a nossa esperança, porque a esperança em Deus não é uma fuga da realidade, não é um álibi: é restituir diligentemente a Deus aquilo que Lhe pertence. É por isso que o cristão fixa o olhar na realidade futura, a realidade de Deus, para viver plenamente a existência – com os pés bem fincados na terra – e responder, com coragem, aos inúmeros desafios novos.
Vimo-lo, nestes dias, durante o Sínodo Extraordinário dos Bispos: «sínodo» significa «caminhar juntos». E, na realidade, pastores e leigos de todo o mundo trouxeram aqui a Roma a voz das suas Igrejas particulares para ajudar as famílias de hoje a caminharem pela estrada do Evangelho, com o olhar fixo em Jesus. Foi uma grande experiência, na qual vivemos a sinodalidade e a colegialidade e sentimos a força do Espírito Santo que sempre guia e renova a Igreja, chamada sem demora a cuidar das feridas que sangram e a reacender a esperança para tantas pessoas sem esperança.
Pelo dom deste Sínodo e pelo espírito construtivo concedido a todos, – com o apóstolo Paulo – «damos continuamente graças a Deus por todos vós, recordando-vos sem cessar nas nossas orações» (1 Tes 1, 2). E o Espírito Santo, que nos concedeu, nestes dias laboriosos, trabalhar generosamente com verdadeira liberdade e humilde criatividade, continue a acompanhar o caminho que nos prepara, nas Igrejas de toda a terra, para o Sínodo Ordinário dos Bispos no próximo Outubro de 2015. Semeámos e continuaremos a semear, com paciência e perseverança, na certeza de que é o Senhor que faz crescer tudo o que semeámos (cf. 1 Cor 3, 6).
Neste dia da beatificação do Papa Paulo VI, voltam-me à mente estas palavras com que ele instituiu o Sínodo dos Bispos: «Ao perscrutar atentamente os sinais dos tempos, procuramos adaptar os métodos (...) às múltiplas necessidades dos nossos dias e às novas características da sociedade» (Carta ap. Motu próprio Apostolica sollicitudo).
A respeito deste grande Papa, deste cristão corajoso, deste apóstolo incansável, diante de Deus hoje só podemos dizer uma palavra tão simples como sincera e importante: Obrigado! Obrigado, nosso querido e amado Papa Paulo VI! Obrigado pelo teu humilde e profético testemunho de amor a Cristo e à sua Igreja!
No seu diário pessoal, depois do encerramento da Assembleia Conciliar, o grande timoneiro do Concílio deixou anotado: «Talvez o Senhor me tenha chamado e me mantenha neste serviço não tanto por qualquer aptidão que eu possua ou para que eu governe e salve a Igreja das suas dificuldades actuais, mas para que eu sofra algo pela Igreja e fique claro que Ele, e mais ninguém, a guia e salva» (P. Macchi, Paolo VI nella sua parola, Brescia 2001, pp. 120-121). Nesta humildade, resplandece a grandeza do Beato Paulo VI, que soube, quando se perfilava uma sociedade secularizada e hostil, reger com clarividente sabedoria – e às vezes em solidão – o timão da barca de Pedro, sem nunca perder a alegria e a confiança no Senhor.
Verdadeiramente Paulo VI soube «dar a Deus o que é de Deus», dedicando toda a sua vida a este «dever sacro, solene e gravíssimo: continuar no tempo e dilatar sobre a terra a missão de Cristo» (Homilia no Rito da sua Coroação, Insegnamenti, I, 1963, p. 26), amando a Igreja e guiando-a para ser «ao mesmo tempo mãe amorosa de todos os homens e medianeira de salvação» (Carta enc. Ecclesiam suam, prólogo). 

Fonte: Rádio Vaticano.

17 de outubro de 2014

49ª Assembleia Pastoral Regional: Assessores iniciam reflexões com base no Documento 100 da CNBB em Lagoa Seca- PB.





A 49ª Assembleia Pastoral Regional iniciou a quinta-feira (16), com uma Celebração Eucarística presidida pelo Bispo de Caicó-RN, Dom Antônio Carlos Cruz. Da Diocese de Mossoró participam o Bispo Diocesano Dom Mariano Manzana, Vigário Geral Padre Flávio Augusto e Padre Ricardo Rubens.
Os trabalhos envolvendo as temáticas do Documento 100 da CNBB começaram com as intervenções do Professor Doutor em Teologia Sérgio Sezino Douets e do Padre João Paulo de Araújo Gomes da Diocese de Caruaru, ambos assessores da Assembleia.
Para o professor Sérgio Sezino, a partilha de experiências a partir da leitura do Documento 100 da CNBB, criará novas possibilidades de estratégias para a Ação Evangelizadora partindo de uma renovação paroquial. Ele ainda aponta como grande desafio descrito no Doc 100, a necessidade da paróquia atingir os espaços subjetivos que encontramos nos dias de hoje. Tais espaços segundo ele, afastam as pessoas da vivência em comunidade.
Após as intervenções dos assessores, os participantes foram divididos em grupos para discutirem possibilidades de ações concretas, a partir do que lhes foram colocado, bem como, das realidades do NE 2. Os resultados dos trabalhos em grupo foram partilhados em plenária com todos os participantes.
Os estudos em grupo continuarão ao longo de toda a sexta-feira (17) e no final da tarde, teremos as considerações finais dos assessores. 

Missa na Capela Mãe Rainha celebra os 10 anos do episcopado de Dom Mariano Manzana



Neste dia 17 de outubro a Diocese celebra com grande alegria o aniversário do iniciou do ministério episcopal de Dom Mariano Manzana como bispo diocesano. Ele iniciou seu ministério no dia 17 de outubro de 2004, sendo apresentado ao Clero e ao Povo de Deus em Mossoró-RN. 
Uma missa em ação de graças será celebrada domingo,19, às 19h30, na Capela Mãe Rainha. A missa acontece dentro do encerramento da Festa de Mãe Rainha. Todos são convidados!


16 de outubro de 2014

Paróquia de Santa Luzia comemora 172 anos.





A Paróquia de Santa Luzia está em festa. No dia 27 de outubro, às 17 horas, celebra Santa Missa em Ação de Graças pelos 172 anos de criação da paróquia. Após a missa na Catedral, haverá lançamento da edição 2014 da Festa de Santa Luzia, na Praça Vigário Antônio Joaquim. Vamos celebrar o aniversário da paróquia e vivenciar mais uma edição da grande festa da nossa padroeira, Santa Luzia.  Participe!

13 de outubro de 2014

Apresentado relatório das primeiras reflexões do Sínodo.


Na abertura da segunda semana de trabalho da 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre a Família, foi apresentado o primeiro relatório, o Relatio post disceptationem, com os principais contributos propostos nas reflexões dos padres sinodais. São 58 pontos que indicam as motivações para as escolhas pastorais da ação evangelizadora da Igreja junto às famílias.
O texto é resultado da primeira semana de trabalho da Assembleia Extraordinária, sendo exposto pelo relator-geral, cardeal Peter Erdo. O documento desenvolve-se em três ideias-chave: escutar o contexto sociocultural em que vivem as famílias hoje; olhar para Cristo e para o seu Evangelho da família e confrontar-se sobre as prospetivas pastorais a iniciar.
A família, realidade decisiva e preciosa, lugar das alegrias, dificuldades e afetos é, segundo este primeiro relatório, uma escola de humanidade que deve ser em primeiro lugar escutada na sua complexidade. Diante dessas realidades, a Igreja deve olhar com “esperança e sentido”, indica o texto.
“Torna-se necessário um discernimento espiritual, no que diz respeito às convivências, aos matrimônios civis e aos divorciados recasados. Compete à Igreja reconhecer aquelas sementes do Verbo espalhadas para além dos seus confins visíveis e sacramentais. (...) A Igreja dirige-se com respeito àqueles que participam na sua vida em modo incompleto e imperfeito, apreciando mais os valores positivos que conservam do que os limites e as faltas”, aponta o relatório.
Apoio às famílias
De acordo com o texto, a Igreja precisar enfrentar a realidade da família, a partir do seu  contexto sociocultural, e olhar para Jesus para reafirmar a indissolubilidade entre homem e mulher.
“Evangelizar é responsabilidade partilhada por todo o povo de Deus, cada uma segundo o próprio ministério e carisma. Sem o testemunho alegre dos cônjuges e das famílias, o anúncio, mesmo que correto, arrisca-se a ser incompreendido ou de se afogar no mar de palavras que caracteriza a nossa sociedade. As famílias católicas são chamadas a ser elas próprias os sujeitos ativos de toda a pastoral familiar. 
Também é enfatizada no relatório a missão da Pastoral Familiar e das famílias como sujeitos ativos na pastoral familiar, sobretudo na preparação dos noivos para o matrimônio e no acompanhamento da vida familiar após o sacramento.
Primeiras propostas
Sobre as situações de divórcio e segunda união, entre outros casos, o texto reflete sobre a necessidade de solução intermediária, ou seja, uma possibilidade não generalizada, mas fruto de um discernimento feito caso a caso, a partir de acompanhamento com respeito.  É sublinhada, ainda, no relatório a importância da abertura à vida e da educação dos filhos, e a missão da Igreja no apoio às famílias nas suas escolhas e responsabilidades.
Ao final de sua exposição, o cardeal Erdo destacou que o Evangelho da família é alegria e, por isso, pede-nos uma “conversão missionária” que não seja um anúncio meramente teórico que apenas apresenta normas mas que proponha valores promovendo uma nova linguagem.
“As reflexões propostas, fruto do diálogo sinodal desenvolvido em grande liberdade e num estilo de recíproca escuta, pretendem indicar prospetivas que deverão ser maturadas pela reflexão das Igrejas locais no ano que nos separa do Sínodo Ordinário de 2015”, disse.
A 14ª Assembleia Geral ordinária do Sínodo dos Bispos será realizada de 4 a 25 de outubro de 2015, com o tema "A vocação e a missão da família na Igreja, no mundo contemporâneo".
Os pareces dos próximos trabalhos desta Assembleia serão apresentados na próxima quinta-feira, 16 de outubro.
Com informações e fotos do News.va. 

Todo Cristão corretamente evangelizado se torna um dizimista.

Coordenador Pe Francinaldo e a comissão da Pastoral do Dízimo.
 
 Antoninho Tatto
Clero da Diocese

O Clero da Diocese esteve reunido durante a manhã dessa segunda-feira, 13, com o autor de vários livros sobre dízimo, Antoninho Tatto, nas dependências do Colégio Diocesano. No encontro, várias questões sobre a importância e o fortalecimento da Pastoral do Dízimo na Diocese. Durante o final de semana, Antoninho esteve reunido com os coordenadores da pastoral, no Centro de Treinamento. Uma comissão foi formada para pensar e fortalecer a Pastoral do Dízimo. Essa comissão tem a participação de vários representantes das paróquias.  Judite ( Paróquia Campo Grande), Antonio Padua ( Paróquia São João), Ari Bandeira ( Paróquia de Apodi), Evilázio ( Paróquia de Assu),  Maria do Socorro( Paróquia São Manoel), Nilzete Lorenço ( Paróquia São Miguel), Veronildo ( Paróquia de Grossos), Goreth , Glauber ( Paróquia de Umarizal) e Claudio ( Paróquia Governador).  

12 de outubro de 2014

Graças a Deus pelo Aniversário Natalício do nosso Bispo Diocesano




A Diocese de Mossoró, celebra neste dia 13 de outubro, o Aniversário Natalício de seu Bispo Diocesano Dom Mariano Manzana.
A nossa Igreja Diocesana reza pelo Dom da vida e pelo ministério de Dom Mariano.
O Bispo Diocesano é nas palavras de Santo Inácio de Antioquia, a Imagem viva de Deus Pai ( cf. CIC 1549) de modo que não é pequena a alegria da Diocese de Mossoró em celebrar a Vida do seu Pastor.
Que Deus nos dê, cada Dia, a Graça de crescer na Comunhão com o nosso Bispo, Sucessor dos Apóstolos.



Parabéns Dom Mariano!

10 de outubro de 2014

Festa de Nossa Senhora Aparecida em Mossoró-RN




Festa de Nossa Senhora Aparecida no Redenção 
Período: 02 a 12 de outubro
Tema: Com a Mãe Aparecida, anunciamos a alegria do Evangelho!
Lema: Vida e Missão: lançar as redes em águas profundas!
Paróquia: Menino Jesus em Mossoró-RN



Ó incomparável Senhora da Conceição Aparecida, 
Mãe de Deus, Rainha dos Anjos, 
Advogada dos pecadores, 
refúgio e consolação dos aflitos e atribulados, 
Virgem Santíssima, 
cheia de poder e de bondade, 
lançai sobre nós um olhar favorável, 
para que sejamos socorridos por vós, 
em todas as necessidades em que nos acharmos. "

8 de outubro de 2014

Encontrão do Dízimo tem Antoninho Tatto





O Encontrão em homenagem aos 22 anos de implantação da Pastoral do Dízimo, que seria realizado no final do mês passado, acontecerá nos dias 11 e 12 de outubro, no Centro de Treinamento,  e vai contar com a presença especial do autor  de vários livros sobre o dízimo, Antoninho Tatto. Ele também estará reunido com o clero, no dia 13. História: Antoninho Tatto participou da implantação da Pastoral do  Dízimo na Diocese de Mossoró, em 1992. 

Pastoral da Criança comemora 25 anos: “Não desanimem nunca. Vocês têm um tesouro que precisam passar adiante. A nossa Pastoral da Criança é missão de vida”.



A Diocese de Santa Luzia de Mossoró celebra os 25 anos da Pastoral da Criança em pleno outubro, que é o mês dedicado à Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, e às crianças.  

6 de outubro de 2014

Rádio Rural deve voltar com sua programação normal no final do mês.





Informamos aos ouvintes da Rádio Rural que seu novo transmissor está em fase de testes na linha de montagem, e até o final desta semana deve ser enviado para Mossoró.
A emissora informa ainda que adquiriu diversos equipamentos novos, tais como um processador de áudio dos mais modernos do Brasil, além de todo o material necessário para montagem da nova torre.
A expectativa é que até o final deste mês de outubro, a Rádio Rural volte com sua programação normal.


Diocese em Dia.

  • ·         Graças a Deus o Padre Netinho já está em Pau dos Ferros. Após o susto, o querido sacerdote se resguarda sob os cuidados de seus paroquianos. É mais uma vitória na vida deste sacerdote que faz do trabalho pastoral sua grande realização de vida. Daqui, desejo que se restabeleça o mais breve possível. 
    ·          SENHORA APARECIDA
    ·         A Paróquia do Menino Jesus iniciou, desde o dia 2 de outubro, a Festa a Nossa Senhora de Aparecida. Até o dia 12, o Padre João Alfredo e seus paroquianos do conjunto Redenção vivem esta grande devoção. Participe!
    ·          ASSEMBLEIA
    De hoje até o dia 19, acontece no Vaticano a 3ª Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos. Os 253 participantes refletirão o tema: “Os desafios pastorais da família no âmbito da evangelização”. Que a partir desta Assembleia venham novas e sábias diretrizes para as famílias.
     CAMINHADA
    Nesta sexta-feira, 10, às 15h30, a Escola Estadual Padre Sátiro Cavalcanti Dantas promoverá a caminhada em defesa da vida e da paz. O evento sairá da Praça da Creche Noeme Borges, entrada do conjunto Nova Vida. Sucesso!
     CENÁCULO
    A Renovação Carismática de Mossoró realizará no 12 de outubro o “Cenáculo com Maria”. Este evento reúne os devotos de Maria para um dia de grande louvor e veneração à Mãe do Salvador. O Cenáculo ocorre no Centro de Evangelização da RCC, nas Barrocas, em frente à Capela do Espírito Santo, e contará com a presença de Inaldo Alexandre, coordenador da comunidade Doce Mãe de Deus. Viva, Maria!
     AÇÃO DE GRAÇAS
    No dia 18 de outubro, “Dia do Médico,” a Pastoral da Saúde realizará missa em ação de graças para celebrar o serviço caridoso de todos os profissionais da área de saúde de Mossoró. A celebração eucarística será, às 17h, na Matriz de São Paulo Apóstolo, no Nova Betânia. Muito bom!
     BEATIFICAÇÃO
    A cerimônia de beatificação do Papa Paulo VI (Giovanni Battista Montini) ocorrerá dia 19 de outubro e será presidida pelo Papa Francisco, na Praça São Pedro, no Vaticano. Precedendo esta cerimônia haverá um congresso em Roma, nos dias 17 e 18, sobre o documento de Paulo VI: Humanae Vitae.
     CAMPANHA
    A Campanha Missionária 2014 traz o tema: “Missão para Libertar” e o lema “Enviou-me para anunciar a libertação”. Esta coleta existe desde 1926 e visa chamar a atenção dos cristãos para o seu compromisso com a missão da Igreja no mundo. A coleta ocorrerá no último domingo de outubro. Vamos participar gente!
     Fonte: Coluna Fé e Vida- Joscelito Marques 


4 de outubro de 2014

Discernimento eleitoral.


Vale ressaltar que mediocridades são um veneno terrível que enterra definitivamente as aspirações do povo
A cidadania brasileira está desafiada, mais uma vez, a viver o necessário discernimento eleitoral, para fazer escolhas qualificadas no próximo domingo. Esse exercício é de fundamental importância, pois serão definidos nomes a ocuparem os cargos eletivos, todos estratégicos para a condução do país. Não é fácil esse processo de discernimento. A primeira e importante consideração, necessariamente, é sobre o perfil e a vida de cada candidato. É difícil encontrar um nome que reúna todos os itens apontados como indispensáveis para governar e representar bem o poder que pertence ao povo; e que a ele deve ser devolvido na forma de serviços. Os eleitos precisam ser pessoas capazes de reconhecer e atender aos anseios da população, particularmente dos mais pobres. Diante dos critérios a serem observados, constata-se que processo de qualificada escolha de candidatos é laborioso, mas isso não pode produzir desânimo.
Nas eleições, o povo tem a chance de compor um time que, embora possa não alcançar o patamar da seleção sonhada, seja capaz de produzir avanços na superação urgente de graves problemas, como as desigualdades sociais. Para isso, é preciso contrabalançar elementos – trajetória, consistências pessoais, força de liderança, lastro de representatividade. Essas qualidades, e muitas outras, precisam ser observadas e identificadas nas pessoas que se submetem ao sufrágio das urnas. Eleger políticos com perfil marcado pela articulação dessas características é contribuir para a composição de um quadro, nos governos e parlamentos, com mais lucidez no trato, defesa e promoção de tudo que é público.
Vale ressaltar que mediocridades são um veneno terrível que enterra definitivamente as aspirações do povo. Elas corroem instâncias de grande importância política e social, transformando-as em palcos de interesses partidários e de grupos. A partir da presença de pessoas desqualificadas, governos e parlamentos tornam-se marcados por uma visão míope das urgências da sociedade, agravada pela incapacidade de analisar, escolher e agir com rapidez. Não se pode permitir que um mandato de quatro anos torne-se tempo para o eleito “ciscar de cá prá lá e de lá prá cá”, obrigando o gigante que é esta nação a permanecer adormecido. Bom seria contar com uma série de nomes cuja dificuldade de escolha residisse na excelência dos muitos perfis, todos sem senões, com os elementos adequados da vida pessoal, social e política. Infelizmente não é assim.
Há quem preferiria que se apontassem os nomes, à moda do chamado “voto de cabresto”, algo totalmente obsoleto e prejudicial que não pode mais ser o vetor das eleições. Seu contraponto é o qualificado processo de discernimento. Ainda é tempo para vivê-lo, confrontando perfis, nomes, histórias e, não menos importante, o fôlego de candidatos para dar conta de sua missão. A meta dos eleitos não pode se resumir ao sucesso nas urnas. Definidos como representantes da população nos governos e parlamentos, eles precisam permanentemente buscar o diálogo, a proximidade com o povo, disposição para trabalhar com transparência e almejar sempre as conquistas sociais.
Não é possível, a modo de cartilha, listar todos os critérios que sirvam de parâmetro para a definição dos perfis ideais de candidatos. Neste período de preparação que precede a ida às urnas, é cidadania bem vivida guiar-se também por um razoável tempo de silêncio e confrontos pessoais para chegar ao nome. Discernimento eleitoral não é simples emoção, simpatia ou antipatia, cor partidária, mero conhecimento ou amizade pessoal. O atual momento exige muito mais esforço de cada pessoa. Todos precisam partilhar a certeza de que a situação social, o desenvolvimento integral e o tratamento lúcido da sociedade civil estão no que é poder de cada cidadão: o seu discernimento eleitoral.
Fonte: O Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, é doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma, Itália) e mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico (Roma, Itália). http://www.arquidiocesebh.org.br

28 de setembro de 2014

Festa de São Francisco na comunidade Barrinha


“Missão para libertar”



As Pontifícias Obras Missionárias (POM) lançou a Campanha Missionária, que neste ano traz como tema "Missão para Libertar" e lema "Enviou-me para anunciar a libertação".
A coletiva contará com a participação do presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Sérgio Arthur Baschi; do diretor nacional das POM, padre Camilo Pauletti; e da assessora da Comissão Episcopal para a Amazônia (CNBB), irmã Irene Lopes.
Desde 1926, a Campanha Missionária é realizada em outubro com objetivo de chamar a atenção dos cristãos para o seu compromisso com a missão da Igreja em âmbito mundial. Em 2014, o tema trabalhado pela Campanha, “Missão para libertar”, retoma a Campanha da Fraternidade deste ano, que abordou “Fraternidade e Tráfico Humano”.
Acompanhada do lema “Enviou-me para anunciar a libertação”, a Campanha Missionária 2014 quer chamar a atenção para a escravidão do tráfico humano em suas diversas expressões, como a exploração do trabalho, exploração sexual, extração de órgãos e tráfico de crianças e adolescentes para adoção.
Entre os materiais para a campanha deste ano estão: cartaz com tema e o lema, livro da novena, DVD com testemunhos, mensagem do papa para o Dia Mundial das Missões, oração missionária, oração dos fiéis para os quatro domingos de outubro, marcadores de páginas e envelopes para a coleta do Dia Mundial das Missões.
No Brasil, as Pontifícias Obras Missionárias (POM) têm a responsabilidade de organizar, todos os anos, a Campanha Missionária, com a colaboração da CNBB por meio da Comissão para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial, a Comissão para a Amazônia e outros organismos que compõem o Conselho Missionário Nacional (Comina).

Fonte: CNBB