O Dom das Vocações


 Ordenação do Diácono Cornélio em Melancias (Apodi- RN) 

A Igreja celebra o dom das vocações neste mês de agosto. É um mês temático, ou seja, refletimos um tema importante para a vida da Igreja, para cada pessoa em particular e toda a sociedade. No grande jardim das vocações que tem como fonte o próprio Deus é importante lembrar que elas se desenvolvem tendo como base três estados de vida: matrimônio, sacerdócio e celibato. A vocação é um chamado de Deus para o crescimento na comunhão com Ele e o serviço aos outros. Nenhuma vocação diz respeito exclusivamente a si e se nos abre um caminho de salvação assim ocorre em função da relação com Deus e os irmãos e irmãs na Igreja e por meio dela na sociedade.
Começamos o mês das vocações celebrando o Dia do Padre, venerando o padroeiro de todos os sacerdotes, São João Maria Vianney. Teremos a alegria de, no dia deste grande santo, 04 de agosto, às 18 horas, ordenar o 18º padre desde que iniciei meu ministério como bispo nesta Diocese. Será ordenado o diácono Cornélio Freire, em sua terra natal, comunidade de Melancias, Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Apodi. O sacerdote é chamado a ser imagem do Bom Pastor no pequeno rebanho que lhe foi confiado, numa vida ofertada na oração, na simplicidade de vida e no serviço desinteressado.
A segunda semana nos insere na vocação ao matrimônio, lembrando o Dia dos Pais, no segundo domingo. A referência de maternidade e paternidade é constitutiva e tem relação de complementaridade, a base para a instituição familiar. Em todo o Brasil é realizada a Semana da Família, com encontros, vigílias e congressos.
O estado de vida chamado de celibato nos convida a rezar na terceira semana por todos e todas que se dedicam à Igreja pela vida consagrada. São frades, freiras, missionários e missionárias de congregações, institutos e comunidades novas que são um sinal profético no mundo daquilo que seremos na eternidade, em contraste com uma cultura hedonista e que alimenta falsos conceitos de felicidade, fechando a pessoa humana em seu próprio egoísmo.
Terminamos o mês das vocações rezando e refletindo na figura do catequista, o protagonismo, o papel do cristão leigo na Igreja e na sociedade. A missão daqueles que estão inseridos na sociedade, dentro da realidade do trabalho e dos desafios próprios daquilo que costumamos chamar de realidade secular. O assim chamado cristão leigo é por natureza discípulo e missionário. É chamado a transformar a realidade em que vive fecundando a sociedade e suas instituições com os valores do Evangelho.
Peçamos a Deus que possamos viver bem este tempo de reflexão sobre nossa vocação e que ao final nos sintamos mais fortalecidos no grande dom que Deus nos deu e a graça Dele faça frutificar nossa vocação em frutos agradáveis a Ele e à sociedade.

Dom Mariano Manzana
Bispo Diocesano