Missão AD Gentes




Tendo encerrado o mês dedicado ao estudo e leitura orante da Palavra de Deus, como discípulos e discípulas do Senhor somos chamados a nos empenhar fervorosamente na missão. Este mês, tradicionalmente chamado de "mês missionário", celebra, no dia 19, o Dia Mundial das Missões. Discipulado e missionariedade são características complementares entre si e essenciais ao ser cristão.
Conforme o costume, o Papa Francisco escreveu uma "mensagem para o Dia Mundial das Missões". Fundamentado no Evangelho de São Lucas 10, 21-23, que ele chama de ícone bíblico, Papa Francisco ressalta a alegria de Jesus e dos discípulos missionários. Logo no início da mensagem, nos diz o Papa: " Cumprida esta missão de anúncio, os discípulos regressaram cheios de alegria. A alegria é um traço dominante desta primeira e inesquecível experiência missionária". No entanto, adverte-nos na sequência da mensagem, citando ainda o próprio Evangelho: " O Mestre divino disse-lhes: «Não vos alegreis, porque os espíritos vos obedecem; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos no céu. Nesse mesmo instante, Jesus estremeceu de alegria sob a ação do Espírito Santo e disse: "Bendigo-te, ó Pai (…)". Voltando-se, depois, para os discípulos, disse-lhes em particular: "Felizes os olhos que veem o que estais a ver"» (Lc 10, 20-21.23). A alegria de estar em Deus é a fonte e uma característica própria do missionário, não obstante os desafios enfrentados. O "Pai é a fonte da alegria. O Filho sua manifestação e o Espírito o animador", enfatiza o Papa Francisco, revelando assim a dimensão trinitária da missão evangelizadora da Igreja, que deve ser marcada pela unidade e comunhão, a exemplo da Trindade Santa.
Na mensagem para o Dia Mundial das Missões, o Papa Francisco não deixou de alertar para os perigos do mundo moderno, citando uma outra carta, de sua própria autoria, chamada " Exortação Apostólica Evangelii Gaudium": «O grande risco do mundo atual, com a sua múltipla e avassaladora oferta de consumo, é uma tristeza individualista que brota do coração comodista e mesquinho, da busca desordenada de prazeres superficiais, da consciência isolada» (Exort. Ap. Evangelii Gaudium, 2). Por isso, a humanidade tem grande necessidade de dessedentar-se na salvação trazida por Cristo. Os discípulos são aqueles que se deixam conquistar mais e mais pelo amor de Jesus e marcar pelo fogo da paixão pelo Reino de Deus para serem portadores da alegria do Evangelho. Todos os discípulos do Senhor são chamados a alimentar a alegria da evangelização.  Diante destes desafios, não podemos nos amedrontar, mas, confiando naquele que nos envia em missão, avançar fecundando as instituições sociais, toda a realidade com as sementes do Evangelho.
Gostaríamos, por fim, de destacar e parabenizar a Pastoral da Criança que celebra neste ano 25 anos de presença em nossa Diocese. Uma pastoral que tem contribuído de maneira eficaz para a diminuição da mortalidade infantil especialmente e outras conquistas que revelam o resgate da dignidade humana. Ainda pedir as orações de todos pelo Padre Luiz Sampaio, que realizou sua páscoa definitiva. Ele, natural de nossa Diocese, Paróquia de Pau dos Ferros, onde foi sepultado e também atuou como vigário, colaborou intensamente para evangelização num esforço de tornar a Igreja cada vez mais missionária. Agradecemos por seu sacerdócio e oramos para que encontre o descanso eterno e a paz em Deus.
Que Maria, estrela da Evangelização, interceda continuamente por nós para sermos autênticos discípulos-missionários do Senhor, evangelizando com santa alegria.

Dom Mariano Manzana
Bispo Diocesano