Missa é dedicada aos 50 anos do Diaconato Permanente na Igreja


Neste penúltimo dia da 53ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o  bispo auxiliar de São Luís  (MA), dom Esmeraldo Barreto de Farias, presidiu  missa em ação de graças pelos 50 anos do Diaconato Permanente na Igreja. A missa foi concelebrada  pelos bispos de  Lorena (SP) e de Jundiaí (SP), respectivamente,  dom João Inácio Müller e dom Vicente Costa.
Na homilia, dom Esmeraldo disse que “o seguimento a Jesus Cristo é uma graça concedida, pois é iniciativa do Pai quem atrai para o seguimento ao seu Filho amado”.
Ao recordar o Evangelho de hoje, disse que a Igreja não cresce no proselitismo, mas por “atração”. “Por meio do seu Espírito, Deus mesmo nos concede a graça da resposta. Cabe-nos cultivar de modo pessoal e comunitário esse dom! Isto acontece de modo muito particular pela contemplação dos sinais de Deu nas realidades pela acolhida da Palavra de Deus e pela Eucaristia, pois Jesus é o Verbo que se fez carne, o pão vivo descido do céu para a vida do mundo”, falou.
Segundo dom Esmeraldo, de diversas maneiras Deus atrai para o seguimento a Jesus Cristo. “Um exemplo, encontramos em Atos dos Apóstolos, quando Ele atraiu o eunuco que foi acompanhado por Filipe, que fazia parte do grupo dos escolhidos para serem presença solidária, servindo as viúvas pobres em Jerusalém. Em razão da perseguição que ali se estabelecera, sai e vai para a Samaria. A comunidade já estava sendo formada e confirmada, quando ele sente a inspiração de Deus que lhe diz: prepara-te, põe-te a caminho toma a estrada do sul. Ele levantou-se e foi. Não sabia quem iria encontrar ou iria encontrar alguém”, citou. 
Conforme dom Esmeraldo, “Deus sempre surpreende, sem dizer como ou porque. Simplesmente ordena: vai”.
Diaconato
Dom Esmeraldo desejou que o exemplo de Filipe anime os diáconos para que, “levando em conta as necessidades sociais e pastorais, como missionários, ajudem as pessoas a se encontrarem com Jesus servo missionário, Pão da vida, a serem seus discípulos missionários”.  
Neste ano, são celebrados 50 anos do diaconato permanente na Igreja. Há no Brasil cerca de 3400 diáconos permanentes nas 160 dioceses. “Obrigado, Senhor, pelo testemunho de tantos diáconos que, como ícone de Cristo servidor missionário, são presença solidária e de esperança em meio aos que mais sofrem. Na comunhão da Igreja servidora e missionária, se colocam à serviço do povo de Deus, como membros desse mesmo povo, sendo luz na vida familiar, profissional e eclesial”, agradeceu.