Vigília e Celebração de Pentecostes na Catedral de Santa Luzia em Mossoró



A Diocese de Mossoró realizou a Celebração da Solenidade de Pentecostes, na Catedral de Santa Luzia, nesse sábado,3, às 22h, presidida pelo Bispo Diocesano Dom Mariano Manzana. Em seguida, foi realizada a Vigília de Pentecostes com a participação dos movimentos e comunidades novas.   




Pentecostes, o que é?

Era uma festa que estava prestes a terminar; era uma, como todas as festas, quando o que resta é o vazio, o silêncio após tanto barulho e os restos da festa no chão. Era como a imagem de tantas coisas que as pessoas fazem sem se dar contas que elas terminam. Isso era para os Discípulos o dia de Pentecostes. Não poderiam, até então, imaginar o que estava para acontecer.

Naquele dia, todo piedoso hebreu havia levado ao Templo o fruto do seu trabalho nos campos; pequenos feixes de trigo, cevada e outros frutos da terra eram colocados no altar das oferendas.

Naquele dia também estava em Jerusalém o pequeno feixe de trigo ceifado no campo de Jesus. Aquele diminuto grupo de Discípulos era o fruto da semente plantada pela cruz do Senhor: «Em verdade vos digo, se o grão de trigo caído na terra não morre, ele permanece só. Se, ao contrário, morre, ele produz muito fruto» (Jo 12,24).

...E Deus aceitou o fruto do trabalho de Jesus, o Pai acolheu o feixe de trigo novo, preparado pelo Filho, para alimentar toda a humanidade. Acolheu e santificou, enviando o Seu Espírito.

Para eles não se encerrava a festa, como para todos os judeus; estava apenas começando!

O Evangelista que narra o episódio o faz com todos os sinais e símbolos conhecidos para indicar uma presença forte e eficaz de Deus: “fogo”, “vento”, “barulho”…. Tudo isso envolveria aquele pequeno grupo do qual você, que foi convidado por Deus, é a continuação. Afinal, como poderia Jesus continuar agindo no mundo, sem que pessoas generosas sejam capazes de responder: “Estou aqui”?