Papa em Cartagena: trabalhemos pela dignidade dos pobres e descartados




A oração mariana do Angelus deste domingo (10) foi feita direto do Santuário São Pedro Claver, no centro histórico da cidade de Cartagena. O Mosteiro e a Igreja dedicados ao santo missionário espanhol, defensor dos direitos dos escravos, pertencem à Companhia de Jesus.
Em frente ao complexo religioso, a comunidade de Cartagena escutou atenta à alocução do Papa Francisco da Praça da Aduana. O Santo Padre conduziu o pensamento de todos à Maria, convidando os fiéis a contemplá-La, sob a invocação de Nossa Senhora de Chiquinquirá, a padroeira da Colômbia.
“Como sabeis, durante um longo período de tempo, essa imagem esteve abandonada, perdeu a cor e se encontrava quebrada e esburacada. Era tratada como um pedaço de saco velho, usada sem qualquer respeito até que acabou entre as coisas descartadas. Foi então que uma mulher simples (chamada, segundo a tradição, Maria Ramos), a primeira devota da Virgem de Chiquinquirá, viu naquela tela algo de diferente. Teve a coragem e a fé de colocar aquela imagem arruinada e quebrada num lugar de destaque, devolvendo-lhe a sua dignidade perdida. Soube encontrar e honrar Maria, segurando o Filho nos seus braços, precisamente naquilo que, para os outros, era desprezível e inútil.”
O Papa Francisco, assim, procurou ilustrar “o exemplo dos humildes e dos que não contam” que conseguem recuperar a dignidade através das mãos de pessoas simples, como as de Maria Ramos, que contemplam a presença de Deus, que se revela com maior nitidez o Mistério do amor de Deus. Além de Maria, a “escrava do Senhor”, o Papa Francisco também pediu uma oração a São Pedro Claver, “o escravo dos negros para sempre”, “caritativo até o heroísmo”.
“Ele esperava os navios que chegavam da África ao principal mercado de escravos no Novo Mundo. Muitas vezes recebia-os apenas com gestos evangelizadores, devido à impossibilidade de comunicar pela diferença das línguas. Mas Pedro Claver sabia que a linguagem da caridade e da misericórdia era entendida por todos. Na verdade, a caridade ajuda a compreender a verdade, e a verdade reclama gestos de caridade. Quando sentia repugnância deles, beijava-lhes as feridas.
Ainda hoje, acrescentou o Papa, “na Colômbia e no mundo, milhões de pessoas são vendidas como escravos, ou então mendigam um pouco de humanidade, uma migalha de ternura, fazem-se ao mar ou metem-se a caminho porque perderam tudo, a começar pela sua dignidade e os seus direitos”.
“Maria de Chiquinquirá e Pedro Claver nos convidam a trabalhar pela dignidade de todos os nossos irmãos, especialmente os pobres e descartados da sociedade, aqueles que estão abandonados, os emigrantes, as vítimas da violência e do tráfico humano. Todos eles têm a sua dignidade, e são imagem viva de Deus. Todos fomos criados à imagem e semelhança de Deus, e a todos nos sustenta a Virgem nos seus braços como filhos amados.”
Depois da oração mariana do Angelus, o Papa assegurou a sua oração pelos países da América Latina, em particular pela vizinha Venezuela e pela Colômbia.
“Expresso a minha proximidade a cada um dos filhos e filhas desta amada nação, e também aos venezuelanos que encontraram guarida nesta terra colombiana. Daqui, desta cidade sede dos direitos humanos, faço apelo para que se rejeite todo o tipo de violência na vida política e se encontre uma solução para a grave crise que se está a viver e afeta a todos, especialmente aos mais pobres e desfavorecidos da sociedade.”
Em seguida, o Papa fez uma visita ao Santuário, onde estavam cerca de 300 expoentes da comunidade afro-americana, que recebem auxílio dos jesuítas. Francisco ainda fez um instante de oração e silêncio perante as relíquias do santo espanhol para depois, de forma privada, encontrar um grupo de representantes da Companhia de Jesus. (AC)