Reflexão para o XVII Domingo do Tempo Comum- João 6,1-15 ( Ano B)





Neste décimo sétimo domingo do tempo comum, interrompemos, mais uma vez, a leitura do Evangelho segundo Marcos, para uma sequência de cinco domingos nos quais leremos o capítulo sexto do Evangelho segundo João. Para hoje, especificamente, a liturgia contempla os primeiros quinze versículos: Jo 6,1-15, relato do episódio chamado popularmente de “multiplicação dos pães”, embora esse não seja o título mais apropriado. Considerando a extensão do texto, não comentaremos cada versículo, mas procuraremos colher a mensagem geral de todo o texto, embora seja necessário dar maior atenção a alguns versículos específicos.

Antes de contextualizar o texto no conjunto do Quarto Evangelho, é importante recordar que, no domingo passado, ao ler e refletir o texto do Evangelho segundo Marcos (cf. Mc 6,30-34), destacava-se a reação e o sentimento de Jesus diante da multidão que o seguia: “teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas” (Mc 6,34). Como não bastava o ensinamento, a esse seguiu-se o gesto da partilha dos pães (cf. Mc 6,35-42), como resposta à situação de abandono e sofrimento vividos pela multidão. Jesus sabia muito bem associar ensinamento e práxis, como deve fazer a comunidade cristã em todos os tempos. Os sentimentos de Jesus eram acompanhados de respostas concretas aos sofrimentos das pessoas.  

O episódio da “condivisão dos pães”, expressão mais apropriada que multiplicação, é o único milagre ou sinal de Jesus narrado pelos quatro Evangelhos, com seis versões (Mateus e Marcos narram duas vezes), sendo que a versão joanina é a mais rica em detalhes e, consequentemente, em teologia. Além da riqueza ímpar do relato, João usa o milagre como introdução para uma profunda catequese eucarística, através do longo discurso de Jesus na sinagoga de Cafarnaum, se auto apresentando como pão da vida e alimento perene para a humanidade, como veremos nos próximos domingos. No conjunto dos sete sinais (ou milagres) operados por Jesus no Evangelho segundo João, esse é o quarto, assumindo uma centralidade tanto literária quanto teológica.

O texto diz que “Jesus foi para o outro lado do mar da Galileia, também chamado de Tiberíades” (v. 1). Embora fosse apenas um lago, o evangelista se refere como mar para chamar a atenção do leitor e evocar uma cena de libertação. De fato, passar de uma margem a outra do mar é sempre uma recordação do Êxodo, evento fundante da história de Israel, embora seus frutos já não fossem mais experimentados, ou seja, o povo não vivia mais conforme a liberdade sonhada por Deus; tinha voltado a ser escravo do sistema dominante religioso e político e de suas próprias concepções equivocadas de Deus. Por isso, a mensagem de Jesus é um convite à libertação porque o seu povo tinha se tornado escravo novamente.

O destino do novo êxodo não é uma terra distante nem uma vida no além: é o Reino de Deus, um sistema baseado na partilha, solidariedade, amor, justiça e dignidade. Para ingressar nesse, não são necessárias longas caminhadas, mas somente a conversão, ou seja, a mudança de mentalidade. Mesmo na posse da terra, Israel deixou de ser livre ao reproduzir o sistema do antigo opressor. Por isso, o que Jesus propõe é uma mudança de mentalidade e consciência, ou seja, uma mudança interior que, no entanto, conduz a novas práticas, como a partilha, foco central do Evangelho de hoje. Porém, reduzir esse trecho do Quarto Evangelho a uma mera comparação com o antigo êxodo é um grande reducionismo.

Jesus chamava a atenção das pessoas e atraía a multidão em seu seguimento“porque viam os sinais que ele operava a favor dos doentes” (v. 2). Ao mencionar os doentes, o evangelista enfatiza a prática de Jesus em favor dos mais necessitados, pobres e vulneráveis. Os doentes representam as categorias de todas as pessoas excluídas, sofredoras e abandonadas, de quem Jesus sentiu compaixão (cf. Mc 6,34). As multidões se admiram com Jesus, por isso o seguem. Ora, era difícil alguém se preocupar com os marginalizados da sociedade, principalmente os doentes; naquela época, a doença era considerada como castigo pelos pecados, o que tornava o doente uma pessoa desprezível. Como Jesus priorizava as pessoas que o sistema descartava, muitos o viam como sinal de esperança e de mudança, por isso, muita gente o seguia.

As multidões seguiam Jesus enquanto “estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus” (v. 4). Com isso, o evangelista enfatiza Jesus como único sinal autêntico de libertação e alternativa para aquele povo abandonado como ovelha sem pastor. A páscoa, como “festa dos judeus”, tinha sido transformada em instrumento de exploração, dominação e manutenção da ordem vigente. Mesmo sutilmente, o evangelista apresenta uma grande ironia: aquela festa celebrada em Jerusalém já não era Páscoa de Iahweh, mas “festa dos judeus” (em grego: h` e`orth. tw/n VIoudai,wn – hé heorté ton Iudaion). Quando João usa o termo judeus, não se refere a todo o povo, mas às classes e grupos dirigentes, principalmente aos sacerdotes do templo que, de fato, tinham desfigurado o rosto verdadeiro de Deus. Portanto, Jesus é a alternativa de Deus à religião opressora do templo, e os primeiros a perceber isso são as pessoas mais simples e humildes, os pobres e excluídos que o seguem, quem tinha sido abandonado pelos maus pastores de Israel.

A multidão que segue Jesus é um povo com necessidades concretas que não podem ser ignoradas. A primeira necessidade é o alimento. Jesus se sente responsável, junto com seus discípulos, e transmite essa responsabilidade para a sua comunidade ao longo da história. Aquele seria um bom momento para medir o aprendizado e a maturidade dos seus discípulos, por isso, provocou Filipe, mesmo já sabendo o que iria fazer: “Onde vamos comprar pão para que eles possam comer?” (v. 5). A resposta de Filipe é baseada em cálculos. Ele simplesmente apela para o campo da economia: “Nem duzentas moedas de prata bastariam para dar um pedaço de pão a cada um” (v. 8). A tentação de Filipe é de reproduzir na comunidade do Reino as relações do sistema: compra e venda, enquanto a dinâmica da comunidade deve ser outra: a partilha.

André, outro discípulo, parece começar a compreender a lógica de Jesus, embora ainda não tenha muita convicção: “Está aqui um menino com cinco pães de cevada e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?” (v. 9). Enquanto Filipe pensou em solucionar o problema com base na economia, André olhou para a própria comunidade, percebendo o que já tinha, mesmo reconhecendo não ser suficiente. Aqui está a transição para a proposta de Jesus, a lógica do Reino: a solução dos problemas da comunidade deve ser buscada em seu interior. 

Os cristãos não podem esperar que o mundo ofereça condições para o Reino de Deus se estabelecer, mas são eles mesmos quem tem que começar a viver os valores do Reino, mesmo em condições desfavoráveis. Embora considerando insuficiente, a observação de André é muito importante: “um menino tem cinco pães de cevada e dois peixes”. Um menino era uma figura muito pouco representativa na época, sem nenhum valor reconhecido, uma vez que não produzia. Para enfatizar ainda mais esse aspecto, o evangelista emprega o diminutivo: um menininho (em grego: παιδαριον –  paidárion). O pão de cevada era o alimento dos pobres, enquanto os ricos comiam o pão de trigo. Os dois peixes servem de complemento numérico para chegar a sete, número que evoca perfeição e totalidade. Mais tarde, a comunidade cristã adotou também o peixe como símbolo eucarístico.

O menininho com cinco pães e dois peixes é a imagem do discípulo e da comunidade cristã. Antes de tudo, para entrar na lógica do Reino é necessário fazer-se e reconhecer-se pequeno. Reino de Deus e grandeza são incompatíveis. Não importa a quantidade daquilo que se tem, mas a disposição de colocar a serviço do próximo. As soluções para os problemas da comunidade devem vir de dentro. Essa é saciada quando o pouco que tem é colocado em comum, quando cada um considera aquilo que tem como dom de Deus e, por isso, destina à partilha. O menininho não mostrou resistências, entregou o que tinha e “Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes” (v. 11). André lamentou que somente cinco pães e dois peixes não seriam suficientes. Jesus foi mais adiante: “tomou os pães e deu graças”, ou seja, agradeceu! O evangelista usa aqui o verbo gregoευχαριστεω (eukaristêo), do qual provém a palavra Eucaristia, cujo significado é agradecimento/rendimento de graças. Ao invés de lamentar-se, Jesus agradeceu pelo pouco que tinha e, daí, veio a abundância.

Muitos pormenores e dúvidas ficam, certamente, nas entrelinhas do texto, o que não ofusca o grande ensinamento de Jesus para a sua comunidade. André observou que um menininho estava com cinco pães e dois peixes, mas não diz que era somente aquele. O importante é que alguém teve de coragem começar a colocar à disposição dos outros o pouco que tinha, e Jesus agradeceu por aquilo. No final, todos ficaram satisfeitos. A solução veio de dentro da comunidade. A abundância é gerada quando ninguém considera somente seu o que possui, mas oferece, como dom, às necessidades do próximo. E a primeira necessidade do ser humano é o alimento, o pão de cada dia. Tendo ficado todos satisfeitos, percebendo o que ainda tinha sobrado, “Jesus disse aos discípulos: “Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca!” Recolheram os pedações e encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães, deixadas pelos que haviam comido” (v. 12-13). O número doze simboliza a totalidade do povo, a nação inteira de Israel, reconfigurada na comunidade cristã pelos doze apóstolos. A quantidade recolhida, doze cestos, significa, portanto, que quando a partilha é praticada, tem alimento para todos e todas. Essa não deve ser um ato isolado, mas uma prática constante na comunidade.

Assim como todos os sinais cumpridos por Jesus no Evangelho segundo João visam a manifestação da glória de Deus e o despertar da fé no Verbo Encarnado, também o sinal da condivisão dos pães despertou reação e reconhecimento: “Este é verdadeiramente o Profeta, aquele que deve vir ao mundo” (v. 14). Porém, essa é uma imagem insuficiente para descrever Jesus. Vê-lo como simples profeta é colocá-lo em continuidade com a antiga aliança e, portanto, negar a insuficiência e decadência daquela aliança que ele denuncia com os sinais cumpridos. Inclusive, a continuidade dos sinais ao longo do livro, mostra a necessidade de Jesus continuar revelando sua novidade messiânica e a superação da antiga aliança.

A prova definitiva da incompreensão do povo em relação a Jesus está no último versículo: “Mas, quando notou que estavam querendo levá-lo para proclamá-lo rei, Jesus retirou-se de novo, sozinho, para o monte” (v. 15). Enquanto Jesus queria ver o povo livre e emancipado, ensinando inclusive a encontrar a solução para os problemas dentro da própria comunidade, o povo faz o contrário: ao invés de viver a liberdade, quer um soberano para si, alguém que o domine e governe. Para o problema da fome, por exemplo, Jesus mostrou que a comunidade tem capacidade de superar quando vive o espírito da partilha e da solidariedade. A proclamação de Jesus como rei seria uma deformação do seu messianismo, o que persistirá por muito tempo na comunidade, inclusive entre os discípulos, como mostrará João na última ceia, com a resistência de Pedro à atitude serviçal de Jesus no lava-pés (cf. Jo 13,6ss).

O Evangelho de hoje mostra que a comunidade deve ter prioridades irrenunciáveis, como encontrar solução para o problema da fome, por exemplo. O exemplo do menininho, colocando à disposição da comunidade os cinco pães e os dois peixes, e a atitude de Jesus rendendo graças pelo pouco que tinha, oferecem muitas luzes para os cristãos de todos os tempos. A comunidade não pode esperar ter condições necessárias para viver o programa do Reino, mas é ela mesma que tem que criar tais condições, encontrando dentro de si mesma a solução para os seus problemas, vencendo o egoísmo, a inveja, o orgulho e o desejo de poder. É claro que o Evangelho não tem respostas apenas para as necessidades materiais das pessoas, como veremos nos próximos domingos. Mas, no texto específico de hoje, a ênfase do evangelista é a necessidade de superar a fome de pão das pessoas necessitadas, ou seja, das almas de carne e osso!

Pe. Francisco Cornelio Freire Rodrigues – Diocese de Mossoró-RN