Diocese de Mossoró realiza encontro de aprofundamento para multiplicadores da Campanha da Fraternidade 2019


 



“Precisamos parar com esse clima de hostilidade no Brasil. Precisamos nos unir como sociedade e nos articular melhor em prol de nossos direitos conquistados com muito suor e muitas vezes sangue. Precisamos nos informar melhor sobre o papel das políticas públicas na sua vida”, afirmou a professora Doutora do curso de Ciências Sociais da UERN, Terezinha Cabral de Albuquerque Neta, na 1ª Reunião da Trimestral de Pastoral da Diocese de Mossoró ocorrida neste final de semana, no auditório Padre Mota, da Faculdade Católica do Rio Grande do Norte. A Trimestral versou sobre a Campanha da Fraternidade 2019 que tem como tema “Fraternidade e Políticas Públicas" e o lema “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1,27). A temática para os palestrantes foi “Fraternidade e Políticas Públicas: Direitos humanos adquiridos e papel do cristão” e ministrada pelos convidados: jornalista Crispiniano Neto (atualmente presidente da Fundação José Augusto), que falou sobre a conjuntura atual; professora Doutora Terezinha Cabral de Albuquerque; o Promotor da Infância e Juventude, Sasha Alves do Amaral; e Janine Rodrigues Baltazar, Coordenadora da Gestão do Sistema Único de Assistência (SUAS) do Governo do Estado. Janine veio representando a Secretária Estadual de Assistência Social (Sethas), Iris Oliveira.
Os palestrantes falaram para um auditório lotado que contou com a participação do Bispo Diocesano, padres, diáconos, religiosas e representantes de todas as paróquias e áreas pastorais que compõem a Diocese. Todos os palestrantes seguiram a linha de reforçar a consciência de que a ausência de políticas públicas impossibilita o desenvolvimento da dignidade humana tão defendida pela Igreja e parabenizaram a própria Igreja por estar tratando do assunto, principalmente dentro da conjuntura atual. “Essa participação direta da sociedade na elaboração e implementação de políticas públicas está garantida na Constituição Federal de 1988, que prevê a participação popular em conselhos deliberativos que estão divididos em quatro áreas: criança e adolescente; saúde; assistência social e educação”, comentou o promotor Sasha Alves do Amaral, que pediu um maior envolvimento das pessoas com as dores do outro. ‘Precisamos participar e reforçar a rede social de apoio. Irrigando afeto aos irmãos que precisam e são muitos em situação de total vulnerabilidade”, conclamou.      
O encerramento da reunião da Trimestral, que aconteceu nos dias 29 e 30, teve a participação da Coordenadora da Gestão do SUAS da Sethas, que trouxe um pouco da situação das políticas públicas no atual governo e passou um pouco da arrumação da casa. “A atual governadora encontrou um déficit de R$ 2.447.674.773,70 e estamos tendo que lidar com essa situação e buscando diálogo, parcerias, recursos e levantando diagnósticos para as coisas acontecerem”, ressaltou a coordenadora do SUAS, que frisou que a população, principalmente os menos favorecidos, precisa entender que políticas públicas não são favor e sim dever dos estados, municípios e da própria nação. “Muito importante a Igreja debater esse assunto. Ressaltar a importância da Democracia. Como cristãos precisamos lutar pelos nossos direitos tão ameaçados nos dias atuais. Reivindicar e ocupar espaços”, afirmou Jeanine, que fez um resumo das portas de acesso às políticas públicas no Estado.   

No final do encontro, Dom Mariano Manzana agradeceu aos participantes e assessores  que trouxeram muita luz sobre  o tema da Campanha da Fraternidade.