Francisco afirma que acessoa à água é um direito fundamental do ser humano



Em mensagem enviada ao diretor-geral do Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, por ocasião do Dia Mundial da Água, celebrado nesta sexta-feira (22 de março, Francisco escreve que a água é para todos  e ninguém deve ser deixado para trás.
“A água é um bem imprescindível para o equilíbrio dos ecossistemas e a sobrevivência humana. É necessário administrá-la e cuidar dela para que não seja contaminada ou perdida. Percebe-se em nossos dias como a aridez do Planeta se estende a novas regiões, e cada vez mais aumentam as pessoas que sofrem com a falta de fontes de água adequada para o consumo”, ressalta o Papa no texto.
Ninguém deve ser deixado para trás
A colocação de Francisco significa que deve haver compromisso para acabar com a injustiça da falta da água para muitos povos. O Santo Padre reitera ainda que o a cesso a esse bem é um direito humano fundamental que deve ser respeitado, pois estão em jogo a vida das pessoas e sua dignidade.
“O trabalho conjunto é essencial para desarraigar esse mal que flagela muitos de nossos irmãos”. Isso será possível se unirmos esforços na busca do bem comum, onde o outro com rosto concreto seja protagonista e se coloque no centro do debate e das iniciativas. É quando as medidas adotadas terão o sabor do encontro e o valor de resposta a uma injustiça que precisa ser curada”, coloca.
“Ninguém deve ser deixado para trás”, sublinha ainda o Papa, “também significa tomar consciência da necessidade de responder com fatos concretos, não somente com a manutenção ou melhoria das estruturas hídricas, mas investindo no futuro, educando as novas gerações para o uso e cuidado da água. Essa tarefa de conscientização é uma prioridade num mundo em que tudo é descartado e desprezado, e que em muitos casos não estima a importância dos recursos que temos à nossa disposição”.
Valorizar e defender esse bem  
De acordo com Francisco, “as novas gerações são chamadas, junto com todos os habitantes do Planeta, a valorizar e defender esse bem”. Ele afirma a tarefa começa com a conscientização das pessoas que sofrem as consequências inevitáveis das mudanças climáticas e de todos aqueles que são vítimas de uma ou outra forma de exploração e contaminação da água por vários fatores. “Esse desafio da educação gerará uma nova visão desse bem, produzindo gerações que valorizem e amem os recursos que nossa mãe Terra nos dá”, destaca o Papa.
Água não é mera mercadoria
Francisco recorda ainda na mensagem que “todos somos artífices do futuro e a Comunidade internacional com suas decisões e trabalhos já está investindo no amanhã do nosso Planeta. É necessário elaborar planos de financiamento, bem como projetos hídricos de longo alcance. Essa firmeza levará a superar a visão de transformar a água numa mera mercadoria, regulada exclusivamente pelas leis do mercado”.
Ele conclui o texto, recordando que “os desfavorecidos da Terra nos interpelam a remediar a falta de água em seus países. Eles também nos pressionam, com suas misérias e limites, para que demos o valor que merece a este bem indispensável para o desenvolvimento de todos os povos”.
Francisco espera que os trabalhos e iniciativas realizados no Dia Mundial da Água beneficiem as pessoas que sofrem por causa da escassez desse bem, e lembrando as palavras de São Francisco de Assis, «a água, que é muito útil, humilde, preciosa e casta», “sirva para o nosso sustento e benefício e também das gerações futuras”.
*Com informações do Portal do Vatican News
Foto- Em 2016, Dom Mariano Manzana visitou a obra de Transposição do Rio São Francisco