Semana Santa: tempo de reviver os maiores acontecimentos da história da salvação

 Tempo de reviver os maiores acontecimentos da história da salvação



Quinta – feira Santa

Celebra-se, neste dia pela manhã, a Missa do Crisma, que é chamada também de Missa dos Santos Óleos, em que se abençoa os óleos que serão usados nos Sacramentos da Confirmação, do Batismo e da Unção dos Enfermos em todas as paróquias. Nesta Missa também acontece a renovação das Promessas Sacerdotais diante do bispo, reafirmando o seu querer de continuar a servir a Cristo. Essa Missa é importante também pela unidade dos padres com seu bispo, demostrando obediência. Todos os fiéis são convidados a participar.


Pela tarde, temos a chamada Missa da Instituição da Eucaristia ou do Sacerdócio e também conhecida como Missa do Lava-pés. Jesus é o modelo que lava os pés dos discípulos.  Na Quinta-feira Santa, com a missa do Lava-Pés, começa o Tríduo Pascal, com a condensação do mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

  


Sexta – feira Santa

Neste dia acontece em algumas paróquias a celebração da Via-Sacra, em que relembramos os passos de sofrimento de Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Via Crucis.





 Na sexta-feira pela tarde, às 15h, temos a adoração da Santa Cruz. Literalmente é adoração da Santa Cruz, porque essa madeira foi banhada pelo sangue de Cristo, foi impregnada pelo sangue do redentor, não adoramos a madeira pela madeira, mas sim o sangue nela, adoramos a Cristo, a cruz remete a ele.  

Sábado Santo

 É neste dia que Cristo desce à mansão dos mortos para poder salvar todos aqueles que morreram em estado de justiça antes dele. O Senhor desce à mansão dos mortos para poder levar luz àqueles que esperavam a chegada dele, é o dia mais doloroso para Maria, porque ela estava vivenciando todos aqueles eventos, a prisão dele, o caminho da cruz quando ele morreu. Maria teve ele nos braços, mas de repente ele foi colocado no sepulcro, e sábado de manhã ela vai para casa e a casa está vazia, só tem ela. Nós sabemos que Maria não entrou em desespero, pois sabia que tinha algo mais, mas ela não sabia o que, não sabia quando. Nós, quando enterramos um ente querido, ao terminar o funeral voltamos triste para casa. É a mesma sensação e Maria está sozinha, pois ela só tinha Jesus, José já tinha morrido. Por isso, Jesus dá João a Maria e Maria a João, para um cuidar do outro, mas é um dia de extrema dor para Nossa Senhora e de extrema dor para nós também.
 Espera-se a Missa da Vigília que é o anúncio da ressurreição de Cristo. A Missa começa com uma fogueira lá fora, as luzes da igreja estão apagadas, o altar sem enfeites, os santos cobertos. Ali, acontece a bênção do fogo novo que acenderá o Círio, que representa o Cristo. O padre entra na igreja levando o Círio e, por três vezes ele diz: “Eis a Luz de Cristo”, e o povo responde: “Graças a Deus”. Quando ele entra, vai acendendo as velas das pessoas, Cristo ressuscitado vai contagiando, a Igreja vai ficando iluminada e nesse momento se canta o anúncio da Páscoa, a noite grandiosa.
 Se Semana Santa é a semana das semanas, a Missa da Vigília Pascal é a missa das missas. Por isso, a gente fala que cada domingo é uma pequena Páscoa. Cada domingo é como se fosse uma pequena Páscoa em relação a tudo o que nós vivemos no Tempo Pascal. Uma vez terminada a procissão de entrada com o Círio, acende-se a luz da Igreja, apagam-se as velas, acontece a renovação do Batismo de todos fiéis, e segue normalmente a Santa Missa. 

Domingo de Páscoa

No domingo tem a procissão, as Missas normais do dia do Senhor, e volta- -se com todo fervor a cantar o “Glória”, o “Aleluia” e a alegria de celebrar a Páscoa. Lembrando que se a pessoa não pôde viver a Páscoa por uma coisa ou outra, nós temos a Oitava da Páscoa, uma festa grande em que vivemos os dois mistérios centrais da nossa fé, o mistério da encarnação e o mistério da redenção. Por isso, no Natal, temos o Advento para preparar e, no tempo da Páscoa, temos a Quaresma. A preparação é longa porque o que se celebra é grande. Um dia só não basta para se festejar. Por isso, tem a Oitava da Páscoa.

Fúlvio Costa
fotos- Pascom da Paróquia de Santa Luzia e Paróquia São José