ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Bispo Dom Mariano Manzana anuncia algumas transferências de padres na Diocese


 

Jornal A Luz de setembro

 










Dia da Pátria: presidente da CNBB pede a brasileiros que não se deixem convencer por quem agride os poderes Legislativo e Judiciário


 

O arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo divulgou nesta sexta-feira, 3 de setembro, um vídeo por ocasião do próximo Dia da Pátria, 7 de setembro. De acordo com o presidente da CNBB, a data deve inspirar em cada brasileiro o reconhecimento de que todos são irmãos, inclusive daqueles com quem não se concorda.

 Essa verdade, segundo do Walmor, precisa ser contemplada e ajudar no reconfiguramento da interioridade de cada um frente a um contexto no qual o Brasil está sendo contaminado pela raiva e pela intolerância. De acordo com o arcebispo de Belo Horizonte, em nome de ideologias muitos dedicam-se à ofensas, chegando ao absurdo de defender o armamento da população.

“Quem se diz cristão ou cristã deve ser agente da Paz e a paz não se constrói com armas. Somos todos irmãos. Esta verdade é sublinhada pelo Papa Francisco na carta encíclica Fratelli Tutti”, disse.

Os ensinamentos da Fratelli Tutti, aponta dom Walmor, devem também inspirar cuidados com os que sofrem. “A fome é realidade de quase 20 milhões de brasileiros. Aquele pai que não tem alimento a oferecer para o próprio filho é seu irmão. Nosso irmão. Do mesmo modo, a criança e a mulher feridas pela miséria são suas irmãs, nossos irmãos e irmãs”, afirmou no vídeo.

 De acordo com o presidente da CNBB, os católicos e cristãos não podem ficar indiferentes à realidade que mistura desemprego e alta inflação, num contexto agravado pela pandemia, situação que acentua as exclusões sociais. A saída, de acordo com o arcebispo, está na urgência em implementar políticas públicas para a retomada da economia e a inclusão dos mais pobres no mercado de trabalho.

 “Nossa pátria não começa com a colonização europeia. Nossas raízes estão nas matas e florestas, num sinal claro nos ensinando que a nossa relação com planeta deve ser pautada pela harmonia. Os povos indígenas, historicamente perseguidos e dizimados, enfrentam graves ameaças do poder econômico extrativista  e ganancioso que tudo faz para exaurir nossos recursos naturais”, disse.

 O presidente da CNBB dedica um parte da mensagem ao cuidado com a Casa Comum (meio ambiente). Dom Walmor reforça o alerta dos cientistas brasileiros sobre a gradativa queda nos mananciais de água potável no Brasil. “A exploração desmedida e irracional do solo, com a derrubada de florestas, está levando à escassez de água em nossas torneiras. Não podemos deixar que o Brasil, reconhecimento internacionalmente por ser rico em recursos naturais, seja devastado e torne-se uma terra arrasada”, exortou.

 Exercício da cidadania e superação da crise

Dom Walmor enalteceu a importância do dia 7 de Setembro como caminho para contribuir para o exercício qualificado da cidadania. Na mensagem, o arcebispo defende que a participação cidadã na política, reivindicando direitos, com liberdade, está diretamente relacionada com o fortalecimento das instituições que sustentam a Democracia.

 “Não se deixe convencer por quem agride os poderes Legislativo e Judiciário. A existência de três poderes impede a existência de totalitarismos”, disse. Dom Walmor defende que não é possível aceitar, independentemente das convicções político-partidárias de cada um, agressões aos pilares que sustentam a democracia. Agredir, eliminar, hostilizar, ignorar ou excluir, segundo o arcebispo, são verbos que não combinam com um sistema democrático.

 No próximo 7 de setembro, dom Walmor fez um pedido aos brasileiros: “respeite a vida e a de seu semelhante. (…) a intolerância nos distância da Justiça e da Paz e afasta-nos de Deus. Somos todos irmãos. No dia da Pátria, 7 de setembro, rezemos para que o Brasil encontre um caminho para superar as suas crises. Rezemos também pelas vítimas da Covid-19 “, reforçou.

 

Fonte- CNBB

Seminário Nacional da Campanha da Fraternidade 2022 será realizado de 1º a 3 de setembro aberta



Pela segunda vez em modalidade virtual, o Setor de Campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai promover de 1º a 3 de setembro de 2021 o Seminário Nacional da Campanha da Fraternidade (CF) 2022. A CF do próximo ano tem como tema: “Fraternidade e Educação” e como lema: “Fala com sabedoria, ensina com amor”, (Pr 31,26).

De acordo com o secretário-executivo de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, o público-alvo desta formação são os agentes que têm atribuições de dinamizar a CF nas comunidades, dioceses e nos 19 regionais da CNBB, bem como todo o povo de Deus que se interessa pela temática da educação e da campanha.

A formação, que vai acontecer de forma aberta pelos canais do Youtube da CNBBEdições CNBB e da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) sem a necessidade de inscrição prévia, terá como grande objetivo motivar o povo de Deus para a vivência da Campanha da Fraternidade 2022.

Padre Patriky aponta o caminho que será percorrido nos três dias de formação: “Vamos apresentar a proposta de tema para 2022, tornar conhecido o texto-base e refletir sobre como iniciar processos de avanço no cenário da educação à luz da fé cristã”.

Segundo o padre, a grande novidade da CF 2022 é que a campanha ao invés de abordar um ou outro modelo educativo vai buscar aprofundar a contribuição da experiência e da fé cristã para a educação nos dias de hoje. “Essa contribuição tem uma marca muito precisa que é a questão da educação integral e humanismo solidário presentes no Pacto Educativo Global proposto pelo Papa Francisco”, disse.

O secretário-executivo de Campanhas da CNBB defende que a educação não pode se restringir ao aspecto técnico-científico mas deve abordar a vida da pessoa na integralidade. “Devemos pensar também a educação para os valores, para o bem viver, para a vida e religiosa. Por mais que o ensino técnico-científico e acadêmico sejam importantíssimos, precisamos redescobrir a educação como um todo”, aponta.

“Vivendo a campanha no período quaresmal, percebemos que algo pode e deve ser mudado neste cenário. Educados pelo Evangelho, queremos trilhar uma vida nova rumo à celebração da Páscoa de Cristo”, disse.

Quem é chamado a participar?

O Seminário Nacional da Campanha da Fraternidade (CF) 2022 vai ser aberto, transmitido pelos canais de Youtube da CNBBEdições CNBB e da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) sem a necessidade de inscrição prévia. Contudo, as pessoas interessadas em receber o certificado de participação precisam enviar, antecipadamente, ao Setor de  Campanhas da CNBB, uma solicitação com os dados (nome completo, cpf e rg) no seguinte e-mail: campanhas@cnbb.org.br

Confira a programação do Seminário Nacional da CF 2022

Celebração Eucarística presidida por Dom Walmor marcará abertura do mês da Bíblia na Igreja do Brasil

 


A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética, propõe uma agenda em comemoração aos 50 anos do mês da Bíblia na Igreja do Brasil.

Para a comemoração, a Comissão oferecerá uma série de programações e pautas, voltadas às ações que serão realizadas agora em setembro, mês da Bíblia.

Para dar início às comemorações, no dia 1º de setembro, às 9h, haverá uma celebração eucarística presidida por dom Walmor Oliveira de Azevedo, diretamente do Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Belo Horizonte, Minas Gerais. A transmissão será feita pela TV Horizonte.

Na sequência, às 17h, haverá um momento de leitura orante com dom Josê Antônio Peruzzo, arcebispo de Curitiba (PR) e presidente da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB. A iniciativa poderá ser acompanhada pela TV Evangelizar.

Por último, às 20h, haverá uma mesa redonda com dom Joel Portella Amado, bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB e com dom José Antônio Peruzzo.  O momento poderá ser acompanhado pela TV Evangelizar.

 

“Pedimos todas as dioceses, paróquias, comunidades que possam se debruçar no livro escolhido que é a Carta de São Paulo aos Gálatas, como estudo e aprofundamento, e ao mesmo tempo celebrar e agradecer a Deus pelos 50 anos do Mês da Bíblia”, exorta o padre Jânison de Sá, assessor da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB.

 

Mês da Bíblia

 

A Igreja no Brasil instituiu o Mês da Bíblia a partir da urgência de anunciar a Palavra de Deus e a beleza de fazer ecoar no coração dos ouvintes a Palavra que renova e impulsiona à missão. À luz do Concílio Vaticano II, o Mês da Bíblia foi criado para mobilizar o aprofundamento e a vivência da palavra, através de um itinerário com a Palavra com um tema específico para cada ano.

 

Para esse jubileu do “Mês da Bíblia”, em 2021, o tema escolhido é a Carta de São Paulo aos Gálatas e o lema é “todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28d), extraído do “hino batismal”, descrito em Gl 3,26-28, quando Paulo afirma que todos são filhos e filhas de Deus.  Esse tema e o lema do “Mês da Bíblia 2021” estão em sintonia com o evangelho do Domingo da Palavra de Deus, que é extraído de Mc 1,14-20, quando Jesus inicia a sua missão, após a prisão de João Batista.

“É importante salientar a centralidade da Palavra de Deus na vida e missão da Igreja como nos pede a Igreja nos diversos documentos eclesiais. Os bispos do Brasil se debruçaram este ano sobre o tema da animação bíblica de toda a pastoral e essa animação ela é muito importante que todas as pastorais, movimentos eclesiais priorizem de fato a centralidade da Palavra de Deus e da Bíblia. Que a Palavra de Deus seja de fato a alma, ou melhor, que possa animar toda a nossa ação evangelizadora e catequética”, afirma o padre Jânison de Sá.

 

Como surgiu o Mês da Bíblia?
O Mês da Bíblia surgiu em 1971, na arquidiocese de Belo Horizonte, por ocasião da celebração do seu cinquentenário. As Irmãs Paulinas, através do Serviço de Animação Bíblica (SAB) deram o primeiro impulso, e posteriormente a CNBB assumiu-o como uma proposta nacional.

Entre seus objetivos estão o de contribuir para o desenvolvimento das diversas formas de presença da Bíblia, na ação evangelizadora da Igreja, no Brasil; criar subsídios bíblicos nas diferentes formas de comunicação e facilitar o diálogo criativo e transformador entre a Palavra, a pessoa e as comunidades.

 

Fonte- CNBB

Semana Legionária 2021

 

Tema: Oração e Ação por um mundo novo!

Lema: Legião de Maria, 100 anos de missão!


Dia 01/09 (Quarta feira): “Oração” Santa Missa de abertura 

• Se possível assistir presencialmente onde houver missa nessa data, se não, pode assistir on-line na intenção do centenário da Legião de Maria. 

Dia 02/09 (Quinta-feira): “Adoração” Adoração ao Santíssimo 

• Se possível presencialmente nas paróquias e capelas, se não, pode ser on-line na intenção dos enfermos da COVID-19.

Dia 03/09 (Sexta-feira): “Penitência” Fazer penitência pelo fim da pandemia da COVID-19

 • Quem puder, fazer abstinência, jejum e sacrifício pela convenção dos pecadores. 

Dia 04/09 (Sábado): “Devoção” Rezar o Ofício da Imaculada Conceição pelo favor missionário da Legião de Maria no mundo inteiro. 

Dia 05/09 (Domingo): “Fé” Dia do Senhor! 

• 09h Benção da Casa da Legião de Maria – Av. Mota Neto, 58 Aeroporto I. 

• 11h Missa solene pelo centenário da Legião de Maria na Catedral de Santa Luzia. 

Celebrante: Dom Mariano Manzana.

Dia 06/09 (Segunda-feira): “Perseverança” Rezar o Rosário Mariano na intenção dos membros ativos e auxiliares da Legião de Maria e pela conversão dos pecadores.

 Dia 07/09 (Terça-feira): “Aprender” Aprofundar conhecimentos, estudo do Manual Legionário capítulo 07, página 57. 

Tema: O legionário e a Santíssima Trindade pelo Google Meet às 15h. 

Dia 08/09 (Quarta-feira): “Agradecer” Natividade de Nossa Senhora

 • Santa Missa de encerramento da Semana Legionária; 

• Participar da Santa Missa presencialmente ou on-line na intenção dos legionários falecidos. 

 

                                                                               MENSAGEM

 A mãe de Deus e nossa mãe, com seu filho Jesus caminha conosco até o final dos tempos e após o final veremos a Glória de Deus. A pandemia veio para que cada um de nós pudéssemos repensar nossas ações, escolhas, pensamentos, palavras e omissões, diante do chamado do Senhor para nossa comunidade nesse mundo. Nossas escolhas pessoais interferem de modo positivo ou negativo no mundo, para o bem ou para o mal, todos nós somos responsáveis pela miséria humana. Esse tempo de pandemia da COVID-19 é um momento de deserto, uma oportunidade e uma necessidade de mudarmos nosso modo egoísta de viver, de falar e de agir. Rezemos para que haja uma grande conversão dos pecadores no mundo. 

                                                                                Salve Maria!

Ordenação Presbiteral do Diácono Jeferson Naldo Carvalho da Silva

 

Convite

No dia 04 de setembro, às 18h, na Matriz da Paróquia de Upanema, será ordenado o diácono Jeferson Naldo Cavalho da Silva. Participe desse momento Vocacional, reze pelas vocações!


Coleta Nacional da Solidariedade 2021

 

A solidariedade cura as feridas, mata a fome e promove a dignidade humana. A solidariedade é uma marca da autenticidade cristã. No próximo final de semana, 14 e 15, observando as medidas sanitárias e de distanciamento social, não deixe de expressar a sua caridade contribuindo, com qualquer valor, em sua comunidade e paróquia para a Coleta Nacional da Solidariedade, da CF 2021. Devido a pandemia, a Diocese de Mossoró realiza a Coleta no próximo final de semana. Contribua!
❤
Tema "Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor"
Lema: "Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade" ( Ef.2.14)

Jornal A Luz edição de agosto


 







Semana Nacional da Família: Alegria do amor na família



 


Queridos irmãos e irmãs,

Com a graça de Deus, chegou mais uma Semana Nacional da Família. Neste ano, queremos testemunhar a “A alegria do amor na família”, pois, quando a Igreja doméstica e a comunidade eclesial estão abertas para o sopro do Espírito Santo, a alegria do Evangelho invade e vivifica toda a nossa vida.

Temos que reconhecer que o Espírito Santo tem conduzido nossas famílias diante de tantos desafios que a pandemia trouxe para a vida cotidiana. Mas, como diz o Papa Francisco, na Exortação Apostólica Amoris Laetitia, os problemas se tornam uma oportunidade de crescimento, de amadurecimento, de vivência mais profunda da fé.

É nesse sentido que queremos resgatar o tema da alegria. Não uma alegria passageira, vazia de sentido, ou superficial. Queremos falar de uma alegria que brota do coração de cada lar cristão, como fruto do fortalecimento dos vínculos conjugais que unem os filhos e vencem juntos obstáculos e as crises porque foram sustentados pela fé. Somente um verdadeiro amor pode trazer a alegria que vem de Deus.

A família que persevera na oração, usa de criatividade para oferecer seus dons à comunidade eclesial e não perde a dimensão da caridade. Assim, essa família vai conseguir abrir as portas de sua casa, de modo que a Igreja doméstica seja evangelizadora, em saída, para tocar e santificar o mundo. Mas também suas portas estarão abertas para acolher, acompanhar, discernir e integrar todos os casais e as famílias que precisam reencontrar a fonte do verdadeiro amor e da verdadeira alegria: Jesus Cristo.

Desejo a todos uma Semana Nacional da Família cheia de bênçãos e graças e que aproveitem cada encontro do Hora da Família motivando toda a comunidade a participar.

Contemplando a Sagrada Família, sejamos sustentados pelo mesmo amor que acolheu o próprio Deus no seio da humanidade. Amém.

Dom Ricardo Hoepers

Bispo de Rio Grande – (RS) e Presidente da Comissão
Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB